To read any post in English, click on Read more.

In other words...

Wednesday, 26 February 2014

Conversas via skype (2) / Skype conversations (2)

Ontem à noite, já na cama, tive um ataque dos meus risos histéricos de entusiasmo enquanto falava com ele, que comentou, do outro lado, com uma cara assustada:
- Passas realmente muito tempo sozinha...

O que, por sinal e por sorte, até nem é verdade. No entanto, não fui mesmo feita para viver sozinha. Apesar de ser muito divertido e libertador poder ter tudo por minha conta, vejo-me obrigada a reprimir grande parte dos meus impulsos histéricos/parvos/loucos, quanto mais não seja porque dar-lhes largas inteiramente sozinha era coisa para até a mim me assustar.

Sunday, 23 February 2014

Dia auto-cenas / Self-day


Andava há uma semana para me meter no carro e conduzir-me até uma marginal: Foz, Matosinhos, Leça, tanto faz. De noite ou de dia, também tanto fazia, desde que tivesse música no carro.
O sol de ontem ajudou-me a decidir: depois de fazer uma arrumação profunda à roupa e aos sapatos espalhados pela casa, pus os óculos escuros, liguei o rádio e deixei-me ir até Matosinhos, onde me sentei junto aos prédios onde um dia ainda irei viver, a ler banda desenhada e a sentir as pernas, a cabeça e a cara serem relativamente queimadas.
Acabado o livro, sentei-me com os sapatos enfiados na areia, virada para o mar, a reunir em mim tantas coisas que me fazem sorrir.
Vi o pôr-do-sol ao sabor de uma Coca-cola e de uma boa conversa, marcando assim o fim do meu auto-dia, que continuou acompanhado no feminino com um frio de tremer a boca, ainda mais refrescado por duas Somersby.
A noite acabou num abraço apertado, cheio de saudades, repleto de memórias reconfortantes.
São dias assim, em que olho à volta e sinto ou vejo a presença de uma grande parte das pessoas de quem gosto, que me garantem que, por mais complicada que a vida possa ser de vez em quando, as outras quando em vezes compensam tudo.

(Mais fotografias depois da versão inglesa)





Tuesday, 18 February 2014

Rotinas / Routines


Sou uma pessoa de rotinas. Gosto, aliás, preciso de saber com o que contar no dia a dia e na vida. Planeio as minhas semanas, os meus meses, os meus anos e o meu futuro com uma antecedência louca e é por isso que me é confortável saber o que vou fazer e a que horas. Quando perco o autocarro e atraso a minha hora de entrada, começo mal o dia, o que só é compensado pelo meu café a meio da manhã com as pessoas do costume, por volta da mesma hora. À tarde gosto de ter mais uns minutos de conversa e risos, tal como quando logo depois de chegar a casa o meu telefone toca e sei que é a minha irmã a pedir conversa.
São rotinas que, de uma maneira ou de outra, se foram instalando na minha vida e que nada têm de conotação negativa. Pelo contrário, anseio por elas e quando elas chegam, sorrio com o conforto da habituação.

Relógio biológico / Biological clock



Ultimamente ando a ouvir um tic-tac-tic-tac imparável que me faz sonhar com babygrows, carapins, fraldas (limpas), biberons, chupetas e músicas de embalar. Para juntar à festa, acho que o mundo se tem organizado de maneira a impedir-me de pôr esse desejo de lado, quanto mais não seja até ao prazo que estipulei para mim mesma.
Em vez disso, vai fazendo bebés nascer "perto" de mim, vai criando anúncios de derreter, como o do continente, e eu vou vendo séries e filmes com bebés por todo o lado.
Como se para isto?

Monday, 17 February 2014

Amizade para sempre / Friendship never ends

Quando uma pessoa está carente, acabou de comer uma tablete de chocolate branco assim como quem não quer a coisa, está imbuída do espírito valentiniano e diz à não melhor amiga "gosto tanto de ti que te amo", está à espera de que ela responda tudo menos "ca nojoooo!".

Sunday, 16 February 2014

Vantagens de viver sozinha (2) / Perks of living alone (2)

Afinal ainda vai havendo qualquer coisinha de bom por estas andanças.
Tirei, finalmente, o perfume que adoro e de que ele não gosta nada (Halloween) e uso-o todos os dias. Tenho imenso espaço no armário para as minhas roupas e cabides de sobra, logo, já não preciso de pôr dois pares de calças no mesmo cabide. Quando entro no carro, ele já está pronto para mim, pelo que não tenho de ajustar retrovisores nem a posição do banco.


After all, there is something good in these new changes.
I finally took my favourite perfume, the one he hates, out of the shelf (Halloween) and I have been wearing it every day. There is a lot of room in my closet and, at least, I can put one pair of trousers per cloth hanger. When I get into the car, it is already set for me, so I don't have to adjust the rear-view mirrors nor the car seat.

Saturday, 15 February 2014

Viveram felizes para sempre / They lived happily ever after



Cresci a ver os filmes da Disney em VHS na versão brasileira, a cantar as músicas todas e a assumir uma das personagens (normalmente a princesa, claro). O primeiro que vi foi a Bela e o Monstro e adorei todas as outras histórias dos Príncipes e das Princesas, muito mais do que de qualquer um com animais. Na vida e nos desenhos animados sou muito mais a favor dos seres humanos.
Hoje em dia, como qualquer aficionado da Disney que se preze, vejo Once Upon a Time, que só veio corroborar a minha opinião quanto à Branca de Neve: toda a história dela é aborrecida e não traz nada de novo. Com as restantes, a Princesa Cisne incluída (ainda que não pertença à mesma família), aprendi imenso sobre a vida e, sobretudo sobre o amor e a importância da amizade. Acho que, se refletirmos um bocadinho sobre cada uma das histórias, conseguimos compreender e solucionar situações que achávamos absolutamente irresolúveis.

A Pequena Sereia (o que eu adoro aquele cabelo enorme e vermelho) fez o favor de mostrar a responsabilidade que assumimos ao tomar uma decisão e que, de facto, a vida está cheia de decisões importantes. Algumas irreversíveis, outras não. O importante é tomá-las e vivê-las, assumi-las sem medo, acarretando todos os resultados que delas advém. E não vale a pena partirmos do princípio que as grandes decisões têm sempre um senão desagradável: afinal, ela perdeu a voz e deixou o mar para ficar com o Príncipe, mas a cena final mostra-nos a Ariel a falar, rodeada pelo mar, pelo pai e pelos irmãos.
Arriscar é, muitas vezes, uma atitude louvável.

A Bela e o Monstro contam-nos a velha história das aparências que iludem, das caras que não mostram os corações ou dos corações que não estão estampados na cara. A Bela e o Monstro contam, na verdade, uma história que atualmente é um fenómeno impossível de ignorar: cada vez mais as pessoas conhecem o âmago umas das outras antes de lhes conhecerem as caras. Isto porque com a proliferação das redes sociais é preciso saber distinguir a imagem transmitida pelas fotografias criteriosamente escolhidas para serem tornadas públicas da imagem real da pessoa. É essa a vantagem (ou desvantagem) das novas tecnologias: é mais fácil conseguir conhecer os outros sem nos deixarmos distrair pela sua beleza ou fealdade.

A Princesa Cisne é, para mim, a mais bela história alguma vez contada. Não é o Príncipe que é encantado, mas sim a Princesa, que espera por ele e acredita que ele vai encontrá-la. A Odete e o Derek, afastados pelos ciúmes de um louco, acreditam no amor que os une para "além da eternidade" e não se deixam embalar na cantiga de que a distância se encarrega de destruir tudo. Se o amor for realmente forte aguenta qualquer derrocada, até porque, como diz o outro, há "aviões, comboios e autocarros". Corre-se, se for preciso.
Uma vez mais, uma história aplicável aos dias de hoje (aos meus dias de hoje) e à realidade da emigração.
"A beleza é só o que importa para você?" é uma das frases mais memoráveis que a Odete lança iradamente ao Derek quando ele tenta fazer-lhe uma declaração de amor desajeitada. Os homens são, em grande parte, desajeitados para estas coisas e algumas mulheres ficam embevecidas pela cantiga da beleza. Eu sou como a Odete e o "és bonita" não me chega.

Do Aladino retiro a prova de que o dinheiro não traz felicidade, mas ajuda. Se há coisa que me incomoda é o preconceito que os pobres têm contra os ricos. Não é por os outros terem e eu não que vou guardar-lhes rancor, não é por os outros comprarem aquilo que eu quero que vou invejá-los, mas há muito quem se deixe dominar por esse complexo de inferioridade ao ponto de ficar estagnado, sem se permitir sonhar nem/ou avançar. O Aladino não se deixou intimidar e foi em frente na loucura de conquistar a Princesa. Conseguiu. E tem um tapete mágico (eu sonho com um).

A Bela Adormecida vem um bocado na onda da Princesa Cisne e da teoria de que o tempo não desgasta nem esvai o amor. Para além, disso, a Aurora, tal como eu, acredita que o Filipe lhe estava destinado e que se conheceram porque tinha de ser. Porque tinham sido feitos um para o outro. Eu gosto sempre de pensar que tudo acontece por alguma razão.

A Cinderela, à semelhança do Aladino, não se deixou subjugar pela sua condição económica inferior à daquele de quem gostava. A história da Cinderela (e a minha) fundamenta e é fundamentada pela tese de John Donne de que "ninguém é uma ilha por si mesmo", porque a existência de alguém na vida de cada um, que nos apoie, que esteja lá para amparar as quedas, seja um pai, um irmão, um amigo, um marido ou um padrinho, é de uma importância vital.

No geral, como é óbvio, cada uma destas histórias sustenta o poder incontestável do amor, quer seja aquele que une um homem e uma mulher (ou um homem e um homem ou uma mulher e uma mulher), quer seja o que une as amizades e as famílias.


Auto-companhia / Self-company

Esteve um princípio de tarde daqueles fantásticos, de sol e frio, tão de sábado de inverno, como eu gosto. Acordei cedo, um pouco mais do que o que queria, para nada, mas acabei por fazer valer o despertar antecipado com algumas compras de roupas, já que tenho o roupeiro vazio e cheio de cabides à espera de serem cobertos.
Fiquei com vontade de ir passear para junto da praia, enrolada numa écharpe quente e deixar-me conduzir pelo vento. Beber uma bebida quente ou fria, não importa, deixar o sol incomodar-me os olhos, sentir o cheiro a mar e planear o futuro. À falta de companhia para tal vim para casa onde estou sentada no sofá posicionado estrategicamente na diagonal das duas janelas, por onde entra o sol já não tão forte, a ouvir música tão alto que poderia fazer-me recear incomodar os vizinhos, se me dedicasse a sentimentos tão responsáveis.
Descobri há uns anos que gosto de passar horas comigo mesma, ouvir as minhas conversas incoerentes e rejubilar com pouco. Neste momento, a minha casa invadida pelo sol é o único sítio onde me apetece estar.

Friday, 14 February 2014

Conversas via skype / Skype conversations

Mostrei-lhe o piercing novo, toda entusiasmada.
Resposta dele:
- Coitadinha.
Tanto amor que ele tem para me dar...


I showed him, with a big enthusiasm, my new piercing.
He answered:
- Poor you.
He has so much love to give me...

Will you be my valentine? (15)


Cinderella: A dream is a wish your heart makes when you're fast asleep. In dreams you will lose your heartaches. Whatever you wish for, you keep. Have faith in your dreams, and someday, your rainbow will come smiling through. No matter how your heart is grieving, if you keep on believing, the dream that you wish will come true.

Thursday, 13 February 2014

Dias diferentes / Wonderful days

O fim de semana passado foi inteiramente dedicado a ser mimada. A tarde de sábado foi de risos e de descobertas embaraçosas, enquanto que a noite me permitiu descobrir que, afinal, talvez existam mesmo almas-gémeas, pessoas que, de pensamentos tão iguais e vivências tão semelhantes, parecem irmãs.
No domingo fiz o tão ansiado furo na orelha, com a minha irmã, passei a tarde a engordar no Mercado do Bom Sucesso e a noite a engordar em casa dela e do namorado, que se desdobraram em atenções para que não me sentisse abandonada.
Apesar da Stephany (que me manteve acordada à noite com a barulheira toda), fiz uma viagem espetacular dentro de um BMW de 81, igual àquele em que tantas vezes andei quando era miúda. Apercebi-me de que já não sou assim tão criança quando a antigamente maravilhosa sensação de andar sem cintos no carro deu lugar à sensação de insegurança.

A verdade é que podia estar aqui a deprimir, a sentir-me infeliz e auto-comiseração, mas, de um momento para o outro, vi-me rodeada de gente simpática que, por qualquer razão, se preocupa e importa comigo. Não me posso queixar de solidão e tenho de admitir que, de vez em quando, me vem uma lagrimita ao olho de tanta comoção.




Last weekend was all about being spoiled. Saturday afternoon I laughed really hard and made some awkward discoveries about myself, while the evening made me figure out that, maybe, there are really soul mates, i.e., people with thoughts and life experiences so similar that they could be sisters.
Sunday, with my sister, I pierced my ear, at last, and I spent the afternoon getting fat at Mercado do Bom Sucesso and the evening getting fat at hers and her boyfriend's house, who made everything they could not to let me feel abandoned.
Despite of Stephany keeping me awake at night, I had an awesome trip inside an 81 BMW, just like the one I used to ride in when I was a little girl. I figured out I'm not a child anymore when the wonderful feeling of riding a car with no seatbelts was replaced with the weird feeling of insecurity.

Truth being told, I could be getting depressed, unhappy and selfpity. Instead, I found myself surrounded by nice people that, for some reason, cares about me. I can't complain about loneliness at all and, actually, I have to admit that, sometimes, all this good emotions make me tear up a bit.


Will you be my valentine? (14)



Princess Aurora: I know you, I walked with you once upon a dream. I know you, the gleam in your eyes is so familiar a gleam. Yet I know it's true, that visions are seldom all they seem... but if I know you, I know what you'll do: you'll love me at once, the way you did once upon a dream...

Wednesday, 12 February 2014

Vantagens de viver sozinha / Perks of living alone

Desde que estou sozinha demoro menos a arranjar-me de manhã, ou seja, acordo mais tarde e chego mais cedo ao trabalho. Ponho os aquecedores à temperatura que me apetece, mesmo que me queime. Tenho sempre água quentinha para tomar banho. Ouço música aos berros e canto aos berros (mal, muito mal). Alimento-me a iogurtes de stracciatella sem sentir remorsos por não lhe fazer companhia ao jantar. Não acordo de manhã várias vezes com um despertador que toca para nada. Se tiver preguiça, deixo a louça de um dia para o outro no lava-louça à espera que a lave. Deito-me mais cedo e durmo mais (o que ajuda a que os dias passem mais rapidamente).
Acima de tudo, tenho encarado os meus medos todos do escuro, de conduzir à noite, de dormir sozinha em casa e da solidão.

Since I'm living alone I take less time to get ready for work, so I can wake up later and still arriving early at work. I can turn the heat on until it burns. I always take a very hot shower. I can listen to music out loud and sing (very very badly) out loud. I can eat nothing but stracciatella yogurts and not feel bad about not having dinner with him. I don't wake up too many times in the morning due to an alarm that rings for nothing. If I'm too lazy, I can let the dirt dishes wait for when I'm willing to wash them. I go to bed earlier and I sleep more (which makes the days go faster).
Above all, I've been forced to face all my fears: of the dark, of driving at night, of sleeping alone and of the loneliness.

Will you be my valentine? (13)


Sultan: Well, am I sultan, or am I sultan? From this day forth, the princess shall marry whomever she deems worthy!

Jasmine: Him! I choose... I choose you, Aladdin.

Aladdin: Call me Al.

Tuesday, 11 February 2014

Monday, 10 February 2014

Will you be my valentine? (11)


Belle: Don't talk like that. You'll be alright. We're together now; everything's going to be fine, you'll see.

Beast: And at least... I got to see you... one last time.

Sunday, 9 February 2014

Will you be my valentine? (10)


Ariel: If I become human, I'll never be with my father or sisters again.
Ursula: That's right. But you'll have your man. Life's full of tough choices, isn't it?

Saturday, 8 February 2014

A vida adulta / Being an adult

Primeiras loucuras de uma sozinha em casa: comprar um Twix XL (fez de almoço e lanche) e papel higiénico perfumado. Sempre tive curiosidade em saber como é usar algo assim, se na altura faz algum efeito, ou se simplesmente deixa cheiro a rosas na mala do carro ao ser transportado do supermercado até casa.
Ao terceiro dia, o furacão já só parece uma tempestade.

First crazy actions of a home aloner: buying a Twix XL (one half for luch, the other for tea) and perfumed toilet paper. I was always curious about what using something like that would be like and I still don't know if it makes any difference when being used, or if it only spreads scents of roses inside the car during the trip back home.
It's the third day and, so far, the hurricane only looks like a storm.

Thursday, 6 February 2014

Dia 1 / Day 1

Hoje é assim que estou: triste, doente e perdida. Sei, ou pelo menos espero, que vai melhorar, que o passar dos dias e o skype ajudam, mas o meu problema não são os dias, mas sim os fins de tarde e as noites, quando chego a casa e me falta tudo, quando me ponho a ver o fim do mundo onde ele não existe e desato a chorar como se isto fosse algo mau. Não é. É a concretização de um projeto há muito esperado e ansiado mas que, como qualquer plano que se preze, foi ligeiramente alterado.
Essas modificações, por mais pequenas que sejam, são o que me mói, mesmo sendo elas por uma ótima razão.
Voltei às contagens decrescentes.




This is how I feel today: sad, sick and lost. I know, at least, I hope, that it will get better with time, that every day will be easier that the previous one and skype is of a lot of help. However, my problem is not the days, but the evenings and the nights, when I come home and I'm missing it all and I see the end of the world everywhere it isn't, so I cry so hard, as if something bad was going on. It isn't. It is only the accomplishment of an old and desired project which, like any other plan, was slightly changed.
And those little changes are the cause of my pain, even if they came for a great reason.
I'm back to counting down the days.

Monday, 3 February 2014

Don't stop believing

Está feito. Quatro anos mais tarde, depois de uma boa dose de deliberação, de muito apoio e de pôr alguns projetos em stand by, tenho um marido doutorado.
A primeira etapa foi alcançada com sucesso, tal como previsto, e estou aqui a inchar de orgulho. Que venha o resto...



It's done. Four years later, after being carefully thought out, with lots of support and some projects on pause, my husband is now a PhD.
The first big step was successefully concluded and I couldn't be prouder. Let's face the rest of them.

Sunday, 2 February 2014

Spice Girls

Ando numa fase revivalista de ouvir os álbuns das Spice Girls e, por consequência, de cantarolar as músicas desde que acordo. É sobretudo engraçado aperceber-me das letras, agora que já as compreendo e não são, apenas, aglomerados de sons sem sentido, o que aumenta ainda mais o vício.
Neste raro momento de televisão ligada, vi que a FOXlife decidiu satisfazer as minhas necessidades e passar o filme Spice World. E eu voltei a ser uma criança histérica.



I've been going down memory lane, listening to Spice Girls' albums and singing every single song from when I wake up to when I go to bed. It is funny to finally understand the lyrics, now that they're not only abstract sounds, which gets me even more addicted.
My television is almost never on, but when I saw the screen showing that Spice World's movie was about to begin, I went back to being a hysteric child.
Actually, I think I'm a bigger fan now than then.

Saturday, 1 February 2014

Conversas ao acordar / Morning conversations

Sábado de manhã.
Ele, depois de ter tentado, em vão, durante mais de uma hora que eu me dignasse a abrir os olhos e a sair da cama:
- Anda lá, já é domingo.

Eu, farta de ser acordada quando estava a dormir tão bem:
- Está bem, eu durmo até segunda...



Saturday morning.
He said, after more than one hour of trying to make me wake up:
- Come on, it's already sunday.

I replied, still trying to keep on sleeping without being interrupted:
- It's ok, I'll sleep until monday.