To read any post in English, click on Read more.

In other words...

Tuesday, 3 July 2012

Primeiros passos nisto do casamento (2) - experimentar vestidos


Comecei hoje a minha investida pelo mundo dos vestidos de noiva e vi coisas tão, mas tão pirosas que não consigo imaginar alguém a voluntariar-se para passar um dia inteiro com aquilo vestido.
Para além disso, a primeira coisa que me fizeram foi enfiar-me um saiote de arame e tule para pôr por baixo dos vestidos. E a primeira coisa que eu fiz foi tirá-la, depois de ver que ficava a parecer um cupcake de baunilha.
O primeiro vestido que vesti emocionou-me um bocadinho, apesar de não ser aquilo que eu queria, mas rapidamente a sessão passou a ser mais natural do que estranha.
E gostei de ver-me ao espelho.

6 comments:

Panda said...

Olha eu fiz logo questão de frisar que não usaria um saiote, o meu vestido era muito simples e ficou caidinho e lindo na mesma. Tem foto no meu blog. Estou a uma semana de fazer um ano de casada :D ah! e comigo também não aconteceu aquela coisa de chorar ao vestir o vestido LOL

Mary said...

Eu não usei saiotes nem coisas do género. O meu vestido era daqueles sem saias muito volumosas. Era preso debaixo do peito e depois deixava-se cair com o seu leve pano até ao chão. Não me arrependo nada de o ter escolhido. Era a minha cara!

Pics said...

Panda e Maria, mas assim já tive a experiência toda! ;) Não sei como há quem aguente com uma coisa daquelas o dia todo, porque aquilo pesa toneladas!
Já ia com uma ideia do que queria e é muito mais simples do que qualquer um dos vestidos que me puseram a experimentar, mas fui mais para ver o que me ficava bem e o que ficava mal.

Xs said...

Um vestido tem que ter a ver connosco e não com as modas!

*C*inderela said...

Eu levei um saiote leve de dois aros! Tule por baixo?! Eu tenho uma certa adversão ao tule, não acho nada elegante e ficando por baixo do vestido deve ser para picar ou criar o efeito balão (naahhh gosto).

Bjokas

Pics said...

Xs, verdadinha!

*C*inderela, sim, o tule era para dar mais volume à saia, mas ficava ali um tufo terrível.